top of page

DESCOLAMENTO POSTERIOR DO VÍTREO

O descolamento posterior do vítreo (DPV) é definido pela separação entre o vítreo cortical posterior e a membrana limitante interna da retina. O vítreo é uma estrutura gelatinosa e transparente composta por 99% de água, macromoléculas e proteínas solúveis.

A incidência de descolamento vítreo posterior do vítreo aumenta com a idade, pode chegar a aproximadamente 65% na oitava década de vida, é mais comum em mulheres e em míopes (devido comprimento axial do globo ocular aumentado).

Os sintomas do descolamento posterior do vítreo são fenômenos entópicos de fotopsias (luzes piscando), múltiplos corpos flutuantes (moscas volantes) e visão de “nuvem” ou “cortina”. Os estágios iniciais geralmente são assintomáticos e ocultos.

O diagnóstico do descolamento posterior do vítreo pode ser feito através da observação clínica durante o exame de mapeamento de retina ou através de exames complementares como ultrassonografia ocular e Tomografia de Coerência Óptica.

Os pacientes devem ser reavaliados duas a quatro semanas após o diagnóstico e posterirormente em intervalos regulares. Além disso, devem retornar ao oftalmologista imediatamente se perceberem mudança nos sintomas como aumento das “moscas volantes” ou perda de campo visual.

A maioria dos pacientes com descolamento do vítreo posterior não necessitam de outro tratamento que não a vigilância oftalmológica e o repouso relativo. Em cerca de 15 % dos DPV é encontrado rasgaduras de retina associado que necessitam de fotocoagulação a laser para prevenir descolamento de retina.

Dr. Hildo Lima

Consultas e Exames na Oftalce

Endereço: Av. Treze de Maio, 1116 - Fátima, Torre Office, 22 andar.

Fortaleza - CE. Telefone: (85) 30310606

207 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page